Marketing digital

Por que você não é a pessoa certa para gerir as redes sociais da sua empresa?

Pinterest LinkedIn Tumblr

Apesar das redes sociais serem parte da vida de todos nós, em seu âmbito profissional e pessoal, você não deve achar que, por ter esse contato, sabe administrar as redes da sua empresa. Isso porque esse trabalho vai muito além de apertar no botão de compartilhar. Existe um estudo por trás que é essencial para gerar bons resultados. Afinal, no caso de uma empresa, o objetivo não é apenas mostrar aos amigos a roupa bonita que você está vestindo hoje, por exemplo, e sim vendê-la, atraindo ainda mais pessoas.

Dessa forma, o propósito desse texto é provar a sua incapacidade. Isso mesmo! É fazer você entender que não irá dar conta dessa responsabilidade, e que o melhor para você e sua empresa é delegar essa função. Espero que você esteja preparado para essa conversa, viu? Vamos às evidências 🙂

1. Você não tem tempo!

Você é dona(o) da sua empresa, o que significa que já está envolvida(o) em questões financeiras, administrativas e estruturais. Dependendo do tamanho do seu negócio, ainda pode estar por dentro do processo operacional. Ok, mas tudo isso você sabe fazer, certo? Ter várias tarefas dentro da empresa é normal, mas é necessário ter expertise sobre elas, pois é assim que você consegue dar conta de tudo. Quanto mais você sabe sobre algo, mais produtivo você é.

Ou seja, não há possibilidade de você administrar as redes sociais corretamente, porque isso iria carecer de estudo e especialização, coisa que você não tem tempo nesse momento, pois várias outras áreas também carecem do mesmo. E fazer de qualquer jeito não é a solução, né? Ah, e olha só! Não é só chegar lá e decidir na hora sobre o que você vai postar, como você faz na sua vida pessoal. Existe um planejamento, pensado diretamente para a sua persona, com linguagem, identidade visual, tudo previamente padronizado.

Mas digamos que você saiba tudo isso e desempenhe com muita qualidade esse trabalho. Pense na situação: você está fazendo um post para o Instagram. Mas, do nada, a sua transportadora liga e fala que não irá entregar as encomendas no prazo. No meio de tudo isso, seus clientes começam a reclamar do atraso. O que você irá fazer? Seguir trabalhando no post do Instagram como se nada tivesse acontecido? Não, né! Você é a(o) dona(o) da sua empresa! O que lhe torna automaticamente a pessoa responsável por resolver problemas muito grandes, que impactem toda operação. E é isso que você realmente deveria fazer. Mas e o post? Fica lá esquecido. Quando você irá retomar? Só quando tudo estiver ok. E assim você coloca todo planejamento de marketing no lixo.

2. Não, modelo pronto do Canva não é profissional, ok?

As redes sociais são extremamente visuais, algumas mais que as outras. O Instagram, por exemplo, foi feito para fossem compartilhadas imagens. Quase ninguém lê as legendas, se forem muito grandes. Portanto, não adianta criar um texto maravilhoso sobre o seu novo produto para postar por lá, se a arte for horrível. O que vai chamar a atenção da sua persona é exatamente essa parte estética. Outras redes, como o Linkedin, por exemplo, são mais textuais. No entanto, elas funcionam mais para empresas B2B do que B2C, por ser um ambiente corporativo. Além disso, depende muito do produto ou serviço que você disponibiliza. Mas, independente dessas questões, postar uma imagem interessante, educativa ou que ilustre bem o seu conteúdo é, no mínimo, um diferencial.

O Canva é realmente uma boa ferramenta, com vários recursos gratuitos, que às vezes até pode passar um ar de profissional. Mas não se engane: personalização é importante. Você não deve fazer artes baseadas em outros designs, e sim específicas para a sua empresa. As pessoas gostam de ver coisas diferentes do usual – e, por isso, ser autêntico é fundamental para se destacar nas redes sociais, incluindo a parte visual. Portanto, é indispensável criar seus próprios templates, com base nos valores e traços da personalidade da sua empresa.

3. Você sabe patrocinar os posts?

A gente sabe que cada vez menos as publicações orgânicas aparecem nos feeds. Por isso, é muito necessário recorrer à mídia paga. Ou seja, patrocinar os posts. Mas NÃO é recomendado fazer isso pelo botão de “Impulsionar agora!”, do Facebook e do Instagram. Nem tudo é como parece, viu? Por lá você poderá definir a audiência, a duração da campanha e o orçamento, no entanto, o anúncio será classificado com o objetivo de engajamento (curtidas, comentários e compartilhamentos). O problema é que os anúncios são otimizados de acordo com o seu objetivo, e nesse caso você não tem possibilidade de escolha.

Anunciar para engajamento nem sempre dá resultado, pois você muitas vezes você irá ver anúncios recebendo uma série de curtidas, mas poucos cliques na página do site. Através do Gerenciador de Anúncios, você consegue definir melhor os objetivos e particularidades da sua campanha, como por exemplo usar estratégias diferentes para desk e mobile. Além de saber criar as campanhas, você ainda precisa estar atento a todas essas especificações e depois análise de métricas. Não é nada muito simples e requer uma atenção e dedicação, que você, dona(o) de empresa, provavelmente não terá.

4. Não adianta somente executar, é preciso analisar!

Definir os objetivos e escolher os KPIs – métricas de acompanhamento – são parte do trabalho de um profissional que gerencia as redes sociais. A etapa de análise é uma das mais importantes, porque ela retroalimenta todas as outras. Através de uma análise detalhada é possível verificar o que está dando certo, ou onde está dando errado, identificando os gargalos e oportunidades.

Essas métricas precisam de acompanhamento constante. Não basta você verificar o total no final do mês, pois assim não é possível perceber os pontos críticos. E se essa análise não for feita? Não é uma boa ideia, pois você estará trabalhando uma estratégia sem consciência da sua eficácia. Isso pode significar um gasto super desnecessário! É, afinal, sobre o que se trata todo esse texto: investir o seu dinheiro nos lugares (ou pessoas) certos(as). Contratar um profissional que sabe realizar um trabalho, a longo prazo, acaba se tornando mais barato do que tentar fazer sozinho e falhar muitas vezes, gerando pouco – ou nenhum – resultado.

5. Atendimento faz parte das redes sociais

Mais uma tarefa: não basta convidar o público ao engajamento, você deve respondê-lo. E isso demanda uma certa sensibilidade. Saber se posicionar corretamente em relação ao seu público é importante, e deve existir sim uma padronização quanto a isso que envolva todos os setores. Mas cada cliente é único, e por isso o profissional de atendimento deve ter um bom jogo de cintura para conversar com essas pessoas. Um atendimento bem feito, em que o cliente fala bem da sua empresa para os amigos e conhecidos – o famoso marketing boca a boca – vale muito mais do que uma curtida na foto do Instagram da marca.

Por isso, a dica é responder os comentários, directs e qualquer outro meio de contato das redes sociais, sendo cordial e demonstrando empenho em tentar ajudar a pessoa, principalmente quando ocorre algum erro grave por parte da empresa. Uma boa resposta nas redes, com atenção e cuidado, pode impedir maiores reclamações por parte do cliente, ou ainda ações mais impactantes, como processos. Por mais furiosa que a pessoa possa estar, a única maneira de lidar com isso é de forma humilde, com diálogo e compreensão.

6. Não existe só o Instagram, tá?

Ok, de fato o Insta está super em alta. Inicialmente a rede era mais voltada para o público jovem, mas há um movimento cada vez maior de democratização desse espaço, engajando pessoas de diferentes características e segmentações. Mesmo assim: não é a única que existe, viu? E o principal: não temos como te falar quais redes a sua empresa deve fazer parte. Isso é extremamente relacionado ao seu público. O mais importante é que a empresa esteja onde a persona está, e não onde todos estão.

Lembra aquela frase que em algum momento a sua mãe deve ter lhe dito: “você não é todo mundo!”. A sua persona também não. É necessário fazer uma análise mais a fundo dos hábitos de Internet dessa persona para fazer essas definições. Além disso, também é interessante produzir conteúdos em diferentes formatos, de acordo com as preferências do seu público. Você acha que consegue fazer isso?

7. Você não está criando para você, e sim para o seu público

Pouco importa se você se interessa ou não sobre o que está sendo postado. Quem deve se interessar é a sua persona. Esse erro é bastante comum de ocorrer em casos em que as(os) donas(os) administram as contas: falam somente sobre o que querem. E é normal, porque não são profissionais! Na sua vida pessoal, mesmo que você saiba que os seus amigos irão curtir aquele conteúdo, você não irá postar algo que não é do seu agrado. Mas quando se trata de uma marca, não é assim que funciona.

Se a sua empresa é calçadista e o modelo que mais está fazendo sucesso é o crocs, mesmo que você odeie esse calçado, será necessário falar sobre ele. Pronunciando assim parece óbvio, mas na vida real, na prática, não é tão óbvio assim. Garanto que você conhece algum caso parecido: uma profissional que é doceira e se nega a fazer bolos com merengue, mesmo o seu público solicitando isso incansavelmente. Por quê? Porque ela não gosta de merengue.

Não seja essa pessoa, ok?

Conclusão

E aí, entendeu a importância de contratar alguém para administrar as redes da sua empresa? A gente sabe que delegar nem sempre é fácil, mas nesse caso é preciso! Investigue sobre agências, veja as melhores condições para o seu negócio, e invista nisso. Nos tempos atuais é inadmissível não dedicar os esforços para Internet, e uma boa presença digital gera resultados incríveis.

Ei, estamos aqui para te ajudar, tá? <3 Conheça nossos serviços, acompanhe nossos cases de sucesso e solicite uma proposta. Queremos ser seu parceiro e crescer junto com você. 🙂

Apaixonada por marketing e redação. Graduanda em administração na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e entusiasta da boa comunicação e da troca de ideias e experiências.

Escreva Um Comentário