Marketing digital

Como minha empresa deve atuar nas redes sociais?

Pinterest LinkedIn Tumblr

Aprenda um pouco mais sobre essa estratégia de marketing que é tão significativa nos dias de hoje. Saiba como usar as redes sociais da empresa, como criar e em quais ferramentas investir para atrair mais clientes.

SOBRE AS REDES SOCIAIS

Apesar do homem ser social por natureza, se tratando de empresas, tudo o que é mais humano, é mais difícil de executar. Não é atoa que um dos maiores problemas enfrentados pelos administradores atualmente é a gestão de pessoas. As redes sociais são um meio de comunicação pessoal, ou seja, é uma troca. Você – empresa – não pode ingressar numa rede social sem entender que precisará dar um motivo para que o seu cliente o acompanhe. E esse motivo não pode se tratar somente dos seus produtos.

Pense agora como consumidor: digamos que você goste muito de comprar sapatos on-line de uma marca hipotética, pois sempre chegam no prazo e têm um bom preço. No entanto, você não vai seguir a página dessa marca no Instagram se ela simplesmente expor os mesmos produtos do site, sem nenhum texto interessante, e ainda sem interação com os clientes.

Por esse motivo, você precisa entender que estar presente nas redes sociais não é suficiente e muito menos efetivo, pois não é mais um diferencial – 96,2% das empresas já estão nas redes. É importante que você esteja presente para garantir o @ e URL. Mas atenção! Você precisa pensar em relação a demanda do seu mercado, e principalmente da sua persona.

PENSE NO SEU CLIENTE!

Vamos lá, você sabe o que é buyer persona, certo? Resumindo, é basicamente aquela personificação do seu cliente ideal – com nome, idade, endereço, interesses. Se você investir nas suas ações considerando que são destinadas a essa persona, fica mais fácil entender quais redes sociais você deve estar presente e que tipo de conteúdo faz mais sentido para ela. Você também pode ler mais sobre produção de conteúdo aqui.

De qualquer forma, estar nas redes sociais é importante, mas é como ir a uma festa – estar lá não quer dizer que você está curtindo. Então, pense bem, pois se você vai entrar em uma rede social, você precisa extrair o máximo de benefícios dela. Pra isso, você precisa planejar algumas coisas com antecedência, e, de preferência, contratar profissionais que te ajudem, pois não é uma tarefa muito fácil.

COMECE PELO PLANEJAMENTO

Pense antes de agir! Coloque no papel tudo o que você precisa estabelecer antes de começar a trabalhar. Dessa forma, você otimiza o seu tempo e esclarece suas necessidades.

CRIE A SUA BRAND PERSONA

Partimos do princípio que você já sabe quem é a sua buyer persona, já entende quais as redes sociais você deve participar, já contratou os profissionais necessários e está pronto para colocar a mão na massa. Antes de qualquer coisa, você precisa pensar: como você quer ser reconhecido nas redes sociais? Como já falamos, as redes são um meio de comunicação pessoal, então você precisa ser humano! Pra isso, você pode criar uma brand persona – se baseando na sua buyer persona.

O que é isso, afinal? É a personificação da sua marca! Ou seja, é sobre você traduzir e transferir os valores da sua marca para uma persona, fictícia, que usa o tom e a voz da sua empresa. Mas cuidado! Não adianta você criar uma brand persona maravilhosa, simpática e querida se a sua empresa não tem essa cara. Não tente mascarar o que você é – não subestime a inteligência do seu cliente. Esse pode, inclusive, ser o momento pra você repensar se o ambiente de trabalho está legal, se o clima da sua empresa favorece o desenvolvimento dos funcionários, e se você fica animado ou angustiado quando pensa em apresentar os valores compartilhados internamente.

Por qual motivo você deve criar a brand persona? Para que todos os funcionários e/ou terceirizados que façam a gestão das suas redes tenham conhecimento de qual linha de posicionamento devem seguir. Ou seja, tudo deve estar alinhado. Se o seu Instagram é totalmente informal e descolado, de nada adianta o seu SAC ser burocrático, com atendentes formais. Seja coerente!

Pegue o exemplo do Nubank:
Ele foi criado com base em uma persona com dores e necessidades específicas: não gosta de burocracias, quer serviços bancários com taxas mais baixas, quer ser atendido com rapidez e agilidade, precisa de um banco dinâmico e que seja verdadeiramente digital – ou seja, que resolva todos os problemas via aplicativo.

Se você prestar atenção, o Nubank utiliza bastante esses conceitos nos seus posts:

Mas, mais que isso, o Nubank é extremamente coerente com o que fala nas redes sociais. Você pode bloquear o seu cartão diretamente pelo aplicativo, por exemplo, evitando toda a burocracia de ter que ligar para o banco, fazer uma solicitação, passar por diversos setores. Inclusive quando você conversa com eles pelo SAC, eles parecem efetivamente que são seus amigos, e estão ali pra “te dar uma mão”. Seguidamente eles também mostram os funcionários, que trabalham com vestimenta informal em um ambiente aparentemente descontraído.

Isso é uma brand persona bem planejada e executada, pois todos os âmbitos da marca transmitem a mesma mensagem. Você precisa entender, portanto, como sua empresa funciona, quais os valores positivos que ela tem a passar, e estabelecer qual a melhor forma, de acordo com sua buyer persona, de se comunicar com seus clientes – e utilizar esse mesmo parâmetro em todos os tipos de comunicação, inclusive a interna.

CRIE ESTRATÉGIAS ESPECÍFICAS PARA CADA REDE SOCIAL QUE A SUA EMPRESA ESCOLHEU USAR

FACEBOOK
É destaque da pesquisa Webshoppers 40 – divulgada recentemente pela e-Bit/Nielsen -, representando 53% dos motivadores de compra pelas redes sociais. Não é para menos, considerando que ele é a maior rede com usuários ativos do mundo. Então, com certeza, o Facebook é uma oportunidade de negócio! Lembre-se, no entanto, de criar uma página para a sua empresa, e não um perfil. Isso porque a página possui recursos de análises de dados com informações demográficas, customização e número de conexões ilimitadas.

No Face, cada usuário recebe informações de acordo com o tipo de conteúdo que mais curte e acessa – que são os chamados interesses. Dessa forma, considerando a navegação orgânica, você precisa se concentrar em qualidade, e não quantidade. Isso porque é a qualidade que vai tornar o seu conteúdo relevante – e quanto mais diferenciado e único ele for, melhor. Você também pode promover os seus posts por Face Ads, segmentando de acordo com o público-alvo, através do Gerenciador de Anúncios. É uma boa opção para impactar mais clientes, mas tem custo.

Por que, então, devo investir em Face Ads, considerando o custo? Porque é a forma mais fácil de atingir os seus clientes no Facebook – levando em conta a dificuldade do tráfego orgânico. Além disso, o Face Ads é uma ferramenta bem democrática, na qual você pode investir quanto você quiser. É interessante você ir fazendo testes, investindo devagar, até entender o que realmente funciona para o seu público. Você também pode fazer o seu anúncio em variados formatos e consegue extrair relatórios detalhados.

Um case interessante do Facebook é o da Intimus, que criou uma campanha chamada “As Marias que não foram com as outras”

A ideia foi se posicionar contra o ditado “Maria vai com as outras” mostrando relatos em vídeo de mulheres independentes, guerreiras e donas de si. Claro que essa estratégia criou uma visão muito positiva para a marca, que tem seu público-alvo 100% feminino.

TWITTER
É um canal de comunicação direta. Apesar da regra do tweet poder ter apenas 140 caracteres, a rede tem um volume enorme de conteúdo. É um espaço legal pra você interagir, em nome da sua empresa, com referências do seu mercado. Diferente do Facebook, todos os posts são exibidos para as pessoas, e não apenas aqueles de acordo com os interesses. Ou seja, para ser notado, você precisa postar com mais frequência. Você também pode utilizar o Twitter Ads, na qual você pode promover por tweet, assunto ou conta.

A prioridade do Twitter é mostrar o que está acontecendo no exato momento, inclusive esse é o motivo das postagens aparecerem no feed de maneira cronológica – dependendo do seu segmento, você pode se beneficiar disso. Mas, atenção! Nessa rede social o seu foco, mais do que nunca, deve ser em construir um relacionamento e gerar valor a sua marca. Não pense nas vendas. Procure conversar com seus clientes, ouvir o que eles têm a dizer, e, de preferência, ser autêntico e bem humorado. Use hashtags e atente-se às diretrizes da sua brand persona. Apesar das redes sociais serem diferentes, você ainda precisa ser coerente com o que estabeleceu.

Um exemplo legal do Twitter é o do Burger King, com a campanha #SaibaADiferença

A campanha foi realizada na época das eleições presidenciais de 2018. Em meio ao clima de tensão e ódio no qual se encontrava o Brasil, a empresa fez uma ação no sentido de diferenciar o que é opinião e o que é ódio. O vídeo começava com tweets de pessoas reclamando sobre o Burger King, com frases como “Odeio o Burger King”. Depois eram mostradas mensagens de ódio, como as que são publicadas em redes sociais, com frases como “Nada contra gays, mas não me diga que isso é normal”, diferenciando crítica de preconceito.

O principal ponto interessante dessa campanha é que o Burger King utilizou um assunto que estava totalmente em alta e, por mais que não tivesse nada a ver com o seu produto em si, serviu como impulsionador da ação. Além disso, ainda conseguiu ter um posicionamento social que cativou muitas pessoas, agregando valor à marca.

LINKEDIN
É uma rede social corporativa – utilizada para assuntos relacionados a trabalho, negócios e mercado. Você pode obter muitos benefícios participando da rede como empresa, mas o principal, com certeza, é saber o que está acontecendo no mercado, quem são as referências, quais os desafios enfrentados, e quais as inovações. O Linkedin é muito utilizado para quem está procurando vagas de emprego, ou oferecendo. Use e abuse da aba de produtos e serviços oferecida nas páginas empresariais, e não corra o risco de chamar um candidato para realizar uma entrevista e ele não encontrar a sua empresa no Linkedin – pois isso passa uma visão pouco séria da sua marca.

Uma boa dica também é participar de grupos que tenham a ver com o seu negócio, nos quais você tem a oportunidade de criar conexões super segmentadas com clientes e colegas profissionais. Além disso, a ferramenta é importante para divulgação de conteúdo, principalmente artigo escrito. Para ganhar autoridade e relevância dentro da rede, você precisa escrever para o perfil da empresa e ser compartilhado. Lembre-se que a exigência dos usuários tende a ser maior que das outras redes. Capriche na qualidade! Também existe a opção de Linkedin Ads, para anúncios de novas campanhas.

Um exemplo de Linkedin Ads é o da Resultados Digitais, que usa os anúncios para chamar atenção para os seus produtos através de testes gratuitos:

INSTAGRAM
Você sabia que o Brasil é o segundo país com mais usuários no Instagram? Essa rede social é uma ótima oportunidade para as empresas que tem como público-alvo as pessoas jovens, de 18 a 35 anos. Mas não precisa se restringir a isso, não! Cada vez mais o público +35 ingressa nessa rede também, visto que é muito popular e de fácil acesso.

É um meio com bastante apelo visual, o que é especialmente interessante para as empresas do segmento da moda. Exatamente por ser visual, os usuários passam rapidamente pelas imagens, então textos mais curtos funcionam melhor. Vídeos curtos também chamam atenção em meio a tantas fotos postadas, e costumam ter mais visualizações. Existe a opção de anúncio patrocinado, como todas as outras redes, que é o chamado Insta Ads – que proporciona um impulsionamento rápido e prático, mas não é o ideal. O Insta deve ser impulsionado da mesma forma que os anúncios do Facebook, pelo Gerenciador de Anúncios.

Para o tráfego orgânico, as dicas para conquistar mais seguidores [conquistar, e não conseguir, ok? porque caso a pessoa siga a sua marca e você não poste nenhum conteúdo interessante, ela irá deixar de seguir a qualquer momento] são: conectar o Insta com outras redes, usar hashtags (com prudência) e, principalmente, interagir com os seguidores através de perguntas, sorteios, respostas em comentários, etc.

APROVEITE AS FERRAMENTAS!
O Instagram também disponibiliza duas ferramentas interessantes para você se comunicar com o seu público: o IGTV e os stories. No IGTV, você pode publicar vídeos de até 60 minutos, e eles podem ser vistos na vertical, acompanhando o formato da tela do mobile. É como um mini Youtube no Instagram, visto que sugere vídeos de acordo com o que você assiste e curte na plataforma. Considerando que a tendência é que até 2021, 78% do tráfego mobile na internet seja com vídeos, é muito importante você criar esse tipo de conteúdo.

Já os stories são uma grande possibilidade de criar maior intimidade com o seu cliente. Além de serem de rápido acesso, você pode adicionar links, ver informações a respeito de quantas pessoas acessaram o seu conteúdo, e ainda estimular a sua brand persona. Tenha em mente que é uma rede que foi criada para ser acessada em dispositivos móveis, e que as pessoas [falarei isso novamente sem nenhum medo de ser repetitiva] querem ver outras pessoas – portanto seja humano! Mostre seu dia a dia, os bastidores, seu time, seu local de trabalho e foque no fortalecimento da identidade da sua marca.

Um bom exemplo no Instagram é a Netflix:

Mas por que um post para reclamação é um bom exemplo? A Netflix escolheu um modo bem humorado para lidar com as críticas dos usuários – “Você tirou minha série favorita do ar!” – e “ela” responde como se também estivesse triste com aquela situação. A brand persona da Netflix é tão boa, que muita gente vai nos posts só pra ler as respostas dos comentários. Essa foi uma boa ideia para criar uma relação com o público, que já não reclama mais com raiva, e sim com bom humor. Ou seja, algo que poderia prejudicar de certa forma a imagem da marca, acabou se tornando um meio de engajamento.

FAÇA TESTES E PROCURE INOVAÇÕES

Assim que você criar as suas contas, capriche na preparação do terreno. Ou seja, coloque um avatar em boa resolução, uma bio que remeta aos valores da marca, mídia na capa (pode ser foto, vídeo, artes de diversas formas), nome, etc. Lembre-se de pensar como o seu cliente. Você gosta quando não é respondido? Tenho certeza que não. Então, não deixe seus clientes sem resposta. Mostre que você está ali para ele, sempre que preciso e, principalmente, tente ajudá-lo.

Essa será sempre a melhor métrica para entender se as suas estratégias estão dando certo, e no que precisam melhorar. Faça conexões, construa relacionamentos e crie parcerias. As redes sociais são parte de um trabalho contínuo de alimentação de reconhecimento de marca, geração de leads e, consequentemente, bons resultados. De nada adianta você fazer 5 posts por dia no Facebook durante uma semana e depois nunca mais aparecer. Você precisa estar constantemente produzindo.

Por esse motivo é importante investir na profissionalização deste serviço. Não pense que você, dono da sua empresa, com outras diversas tarefas e compromissos, terá tempo e disposição para pensar em seus próprios posts. Também não adianta pedir para sua secretária, sua irmã adolescente, ou seu funcionário de e-commerce. Esqueça essa ideia! O marketing nas redes sociais é importante, gera resultados e precisa de pessoas especializadas. Não é um trabalho simples de se fazer e, quando mal feito, não tem efeitos positivos e pode, inclusive, prejudicar a imagem da sua marca. Repita comigo: não é simplesmente apertar o botão “compartilhar”, ok?

DICAS DA SUSAN – USO DAS REDES SOCIAIS PARA EMPRESAS

A Susan é a Social Media da Wave. Ela trabalha diariamente com isso e é a pessoa mais indicada pra dar umas boas dicas. Confiram o que ela escolheu comentar com vocês – acreditem, não foi uma tarefa fácil, porque quem conhece a Susan sabe a quantidade de ideias que passam na cabeça dela. Aproveitem!

➤ Use sempre imagens com boa qualidade! É possível utilizar banco de imagens para criação dos posts, e existem muitos gratuitos;

➤ Preste atenção no português. Tome cuidado com a imagem que vai passar para o seu cliente. Erros gramaticais podem ser vistos como desleixo;

➤ Esteja sempre antenado(a)! Sabe aquele meme que surgiu há 30 minutos? Analise se ele se encaixa com o seu público. Se sim, pare tudo, crie e entre na brincadeira;

Hashtags sim! Elas são maravilhosas e atraem muitos clientes. Mas cuidado, use com moderação e atenção. Observe se elas realmente têm relação com a sua postagem;

➤ Entenda o caminho da compra do seu consumidor, por onde ele percorre no funil de vendas e tente facilitar esse caminho ao máximo. Não o leve para o Whats da empresa se ele vai encontrar tudo pelo site;

➤ Faça muitos stories, mostre muitos rostos. O algoritmo adora rostos!

Reposts são uma ótima pedida, afinal, é um conteúdo gerado pelo seu consumidor – existe melhor?

➤ Nunca aperte o botão “impulsionar agora”! Crie sua conta no gerenciador de anúncios e seja feliz por lá! Use várias métricas, vários públicos, um pixel. Use e abuse! 🙂

Espero que você tenha gostado do texto e que ele tenha ajudado você a ter uma noção um pouco maior do marketing nas redes sociais. Se você tiver qualquer dúvida ou interesse de conversar sobre o assunto, entre em contato com a gente! 🙂

Apaixonada por marketing e redação. Graduanda em administração na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e entusiasta da boa comunicação e da troca de ideias e experiências.

Escreva Um Comentário