E-commerce

Comércio online tem número de visitas crescente durante a pandemia de coronavírus

Pinterest LinkedIn Tumblr

Uma pesquisa da Comscore sobre o consumo de mídia durante a pandemia de coronavírus aponta que o número de visitas no comércio online cresceu durante a pandemia de Coronavírus. A pesquisa registrou aumento recorde de visitas em sites de varejo no mês de março. Esse período corresponde ao mês em que diversos países adotaram como medida de contenção do vírus, o isolamento social.

O total de visitas dos sites Amazon, Walmart e Target na semana de 9 a 15 de março chegou a 779 milhões. Omaior número de visitas de qualquer semana em 2020. Segundo a pesquisa, houve um aumento de 3,8% em relação à semana anterior. O segundo maior aumento de uma semana para outra, que na semana de 24 de fevereiro a 1 de março registrou aumento de 4,7%.

Gráfico que aponta que o número de visitas no ecommerce cresceu em março
Gráfico que demonstra que o número de visitas no comércio online cresceu em fevereiro e março
Consumo de mídia durante a crise

A pesquisa ainda analisou o consumo de outros tipos de mídia e percebe-se que há uma mudança no comportamento do usuário. Sites do governo aumentaram o número de visitas em 425% na semana de 9 a 15 de março em relação a semana de 6 a 12 de janeiro. Considerando apenas os acessos por dispositivos móveis, o aumento foi de 671% para o mesmo período.

Além desses, o levantamento inclui dados sobre o número de visitas em portais de notícias, os termos de busca sobre o coronavírus no Google, o número de acessos a um mapa interativo que mostra em tempo real a disseminação do vírus, sites de viagens e também a audiência de televisão na cobertura da pandemia. Como esperado, o único segmento que obteve queda foi o de sites de viagens. A queda foi de 7,3% na semana de 24 de fevereiro a 1 de março e de 4,8% na semana de 2 a 8 de março.

No Brasil, outros estudos já apontam que alguns segmentos do mercado estão crescendo durante a crise do coronavírus no e-commerce. São os produtos ou segmentos de brinquedos, supermercados, artigos esportivos, games online, farmácias e claro, os aplicativos de entregas.

Escreva Um Comentário